quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Is it too late now to say sorry?

Não tenho tempo nem para respirar direito. Me desculpem :(
Prometo que arranjarei tempo logo logo, tenho muitos planos para o blog ainda.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Across My Heart Cap. 24



Samantha Watson P.O.V

Os dias estavam se passando lentamente e eu não sabia se ficava feliz ou desesperada por isso. Na sexta-feira seria a entrega do trabalho da Srta. Janet pela manhã e no final da tarde do mesmo dia, eu ia ter a entrevista com o cara do estágio. Todo os dias eu falava para Becky, Louis, Lily e Luke que eu estava nervosa pra caraca e que estava morrendo de medo de dar algo errado, seja na apresentação do trabalho ou na entrevista do estágio. Ele me respondiam com palavras de motivação, dizendo que tudo ia ocorrer perfeitamente bem e que eu não tinha que me preocupar com isso. Funcionava? Não.
Minha linda irmã Rebeca separou algumas roupas novas que chegaram na loja e trouxe para mim. Apesar das zoações com meus estados emocionais, ela sabe como me deixar feliz. 
Meus pais ligaram mais algumas vezes para saber mais a respeito do meu estágio e dos preparativos para o casamento de Becky, e do nada minha mãe comentou comigo que Louis é um ótimo menino. Claro que eu estranhei porque eles nunca haviam se falado, ela só ficava sabendo dele por mim. Então eu perguntei porquê ela estava elogiando-o e ela me contou que ele tinha ligado para ela. Eu fiquei emocionada quando soube que ele tentou trazê-los pro EUA só porque me viu chorar com saudade. Gente, que tipo de homem o Louis é? Maravilhoso, meu Deus!
Claro que eu liguei para ele assim que encerrei a ligação com a minha mãe. Agradeci demais e quase chorei no telefone por ele ter sido tão bondoso comigo. E a vozinha dele falando "que nada, eu só queria te fazer uma surpresa" derreteu meu coração, senti vontade de pegar o carro e correr até a casa dele para abraçá-lo forte.
Mas não pude, pois combinei com Kath que iria visitá-la. Aliás, eu ia aproveitar e agradecê-la também por ter ajudado o Lou.

Me despedi de Becky, que estava usando o notebook para pesquisar modelos de convites, e saí de casa. Entrei em meu carro e dirigi tranquilamente até a casa de Katherine. Liguei o rádio e o ar-condicionado, fiquei curtindo a música boa e o frescor até ter que estacionar.
Toquei a campanhia e aguardei uns 10 segundos até Kath vir me atender. Ela abriu a porta com um enorme sorriso no rosto é nos trocamos um abraço super apertado. Nós quase não nos víamos.
Logo em seguida eu senti algo cutucando minhas pernas, e quando olhei para baixo para saber o que era, vi um cachorrinho extremamente fofo. Ele era pequeno, e todo branquinho. Parecia uma bolinha de pêlos.
Não resisti a tanta fofura e abaixei para fazer carinho nele, que ficou ainda mais agitado. Ficou pulando, tentando alcançar minhas mãos com suas patinhas e deu voltas.

-Ah, esse é o pequeno Marley -minha amiga informou, achando graça da animação do cachorro- Ele é o mascote da casa.
-Ele é a coisinha mais fofa que já vi na vida! -exclamei, massageando os pelos macios do animal. Katherine riu- Qual a raça dele?
-Ele é um Shih tzu... Filho, deixa a tia Sam, ela veio para ficar comigo, não com você -ela disse diretamente pro cachorro, me fazendo rir e ficar de pé novamente- Temos muita coisa para conversar, mocinha.
-Eu sei! -bati palminhas animadas.

Katherine decidiu fazer uma torta de morango, então nós fomos para a cozinha e colocamos a "mão na massa". Enquanto fazíamos tudo, conversamos sobre diversos assuntos. Ela me contou como estava o trabalho dela, eu contei como estava minha faculdade; eu lembrei de agradecê-la por ter ajudado o Lou e ela acabou me contando mais detalhes dessa história; até contei que a irmã do Lou está grávida e ela ficou super surpresa, já que ainda não sabia. Daí eu comentei até sobre o aniversário de Benjamin estar chegando e tudo mais... Batemos um bom papo.
E quando a torta ficou pronta, nós nos servimos e fomos para a sala.

-E o Lou? Você não comentou muito sobre ele...
-Cara, sobre o Lou, eu nem sei o que comentar -disse, sorrindo- Ele está sendo tão maravilhoso comigo que eu nem acredito que ele é realmente meu... -franzi o cenho, tentando achar a palavra certa- companheiro, peguete? Não sei, mas enfim... -Kath gargalhou- ele é incrível.
-Vocês deviam começar a namorar logo. Minha paciência para vocês dois está se esgotando -ela disse, fazendo-me rir.
-Acho que já sei o suficiente sobre ele para entrar num relacionamento -comentei, comendo um pedaço da torta em seguida.
-Isso quer dizer que... que você aceitaria se ele te pedisse em namoro? -minha amiga perguntou, esperançosa.
-Acho que sim. O que acha? -perguntei, mesmo já sabendo a opinião dela.
-Preciso dizer? Quero muito vocês juntos!
-É... Acho que eu também quero -sorri, meio tímida, e Kath vibrou- eu não o vejo desde ontem a noite e já estou com saudade. Isso é normal? Porque eu to achando ridículo! 
-Você está apaixonadaaa -ela cantarolou.
___________

N/a: Capítulo pequeno, eu sei, mas o próximo será maior. Kisses!!

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Across My Heart Cap. 23

Link permanente da imagem incorporada

Louis Tomlinson P.O.V

O trânsito não estava muito ruim, então em menos de 10 minutos eu estacionei o carro em frente a casa de Julie. Eu nem toquei a campanhia e a porta já abriu, e aí eu vi meu cunhado Bob todo sorridente; Ok, algo muito bom aconteceu.

-E aí, cara? -ele disse, dando tapas em minhas costas.
-E aí -respondi, quando ambos já caminhávamos em direção a porta principal.
-Julie está esperando por você ansiosamente.
-É, percebi. Tá tudo certo por aqui? -franzi o cenho.
-Certo? Está mais do que certo, Lou!
-Me contem logo o que está acontecendo, por favor.
-Acho que sua irmã prefere que ela mesma conte -disse, enquanto entrávamos na sala
-Vocês ganharam na mega sena ou algo assim? -perguntei e Bob gargalhou. Logo em seguida eu senti minha irmã me abraçar.
-Que demora, Louis! -ela me repreendeu, mas não conseguia conter o sorriso nos lábios.
-Me desculpa por trabalhar, eu devia parar com isso -ela rolou os olhos e me deu um tapa- cadê o meu sobrinho?
-Está lá em cima brincando no quarto dele.
-Vou chamá-lo -Bob disse e subiu as escadas.
-Então... -me virei para Julie- já pode me falar o que está rolando? Estou curioso pra caraca!
-Tudo bem, vou te contar -falou, puxando-me para sentar no sofá- você realmente não faz ideia do que está acontecendo?
-Já falei vários palpites -dei de ombros- Me conta logo, garota!
-Louis, meu nome não é "garota" -ela bufou, e eu sabia que estava fazendo isso só para me enrolar.
-Você está me estressando, maninha... -avisei.
-Eu vou te contar cara, só preciso encontrar uma maneira.
-Uma maneira de falar? Bom, você abre a sua boca, e vai falando palavra por palavra, até eu saber o que está acontecendo. É simples, poxa -zoei e ela fez uma expressão do tipo "você é idiota".
-TIO LOOOOU! -Ben correu até mim e pulou nos meus braços.
-Fala aí, cara -baguncei seus cabelos.
-Você já tá sabenu, tiu? -sua feição se entristeceu.
-Sua mãe estava prestes a me contar.
-Meu Deus, ela ainda não disse? -Bob riu.
-Não -suspirei.
-Tem um biço feiô na na barriga dela -Ben disse e em seguida fez uma cara de tédio.
-Um bicho fe... Você tá grávida? -arregalei os olhos e o sorriso foi se abrindo aos poucos assim que ela assentiu com a cabeça.
-Foi o que o exame deu -ela deu de ombros e também sorriu.
-Precisamos comemorar, concorda, Lou? -Bob perguntou, todo animado e eu assenti. É uma notícia maravilhosa.
-Sim, claro que precisamos! Vocês já avisaram a todos?
-Sim, todos já sabem. Quis contar para você pessoalmente porque nós somos mais próximos do que todo o restante da família... -Julie explicou e eu assenti- Vamos jantar fora!
-Boa ideia.
-Lou, ligue para a Sam. Quero que ela vá conosco.
-Tudo bem... -sorri.

Em menos de meia hora, saímos de casa e seguimos o caminho do apartamento de Sam. Eu liguei para ela explicando tudo o que aconteceu, e ela ficou super feliz com a novidade e aceitou rapidamente em nos acompanhar. Coloquei a cadeirinha de Benjamin no meu carro e ele veio comigo, enquanto Julie e Bob iam no carro deles sozinhos. Fazer o que se meu sobrinho é colado comigo, né?

Quando cheguei em frente ao apartamento de Samantha, mandei uma mensagem para ela e depois de dois minutos ela desceu. Estava linda, como sempre. Entrou no carro, me deu um beijo no rosto e quando viu que Ben estava no banco de trás, começou a trocar carinhos com ele. Benjamin obviamente retribuiu, pois ficou animado quando a viu.

Demorou uns 10 minutos para chegarmos no restaurante, e durante todo esse trajeto, Sam e Ben ficaram conversando. Ele contava para ela sobre os brinquedos que brincava, os desenhos e filmes que via e até sobre querer um dinossauro de presente de aniversário (nessa parte, Sam e eu rimos demais). Meu sobrinho também comentou incontáveis vezes que o aniversário dele estava chegando e que queria reunir seus amiguinhos para brincar.

Quando descemos do carro, Samantha foi direto em Julie para parabenizá-la pela notícia, enquanto eu tirava Ben do carro e entrava com Bob dentro do restaurante para pegar uma mesa bacana. Minha irmã e Sam entraram logo atrás de nós, e claro que sentaram juntas na mesa, dando continuidade a conversa.

-Poxa, que notícia maravilhosa! -Sam exclamou, sorrindo.
-Pois é! E nos pegou de surpresa, nós nem imaginávamos -Julie respondeu.

Bob e eu fizemos os pedidos, já que elas não paravam de conversar, e quando a comida chegou, todos nós comemos. Julie ajudava Ben vez ou outra com a comida, Bob mexia no celular pois estava checando algumas coisas do trabalho, e eu e Sam conversamos.

-Está feliz para ganhar mais um sobrinho? -ela perguntou, sorrindo tão lindamente que eu até sorri junto.
-Estou... Mas também estou muito surpreso.
-Normal. Depois você se acostuma -ela deu de ombros, bebendo seu suco.
-É... -concordei- Só teve uma pessoinha que não ficou muito feliz com a notícia.
-Quem?
-Esse pirralhinho aí do seu lado -olhei Ben, que estava com a boca toda suja. Sam riu.
-Ele ficou com ciúmes?
-Aham -assenti- tinha que tinha um bicho feio dentro da barriga de Julie.
-Ai, meu Deus! -Samantha riu alto. 
-Ben -o chamei- está ansioso pra chegada do seu irmãozinho ou irmãzinha?
-Não! -respondeu, negando com a cabeça freneticamente e fazendo uma cara de bravo.
-Mas por que, amor? -Sam perguntou, massageando os cabelos dele.
-Puquê ele vai... vai robá meus binquedos todos, possa (poxa)! E o papai e a mamãe vão ficar de graxinha com ele. Vão esquecer de min.
-Claro que não, Ben -Sam disse, toda carinhosa- seus papais amam você e não vou te esquecer, sabe por que? -ela fez uma pausa e viu que ele se interessou- porque você chegou primeiro na família. É o xodózinho.
-Sou? -ele arregalou os olhinhos.
-Sim, claro que é! Seu aniversário tá chegando e eu aposto que vai ter uma festa super maneira.
-Com vários super-heróis? -ele abriu ainda mais os olhos e olhou para Samantha com esperança. Ela sorriu e brincou com o narizinho dele.
-Sim, com vários super-heróis. Sua mamãe comentou comigo.
-EBA! -levantou os dois braços para cima, em comemoração, e eu sorri abertamente.

No dia seguinte...

Cheguei no trabalho feliz demais. Ontem a noite foi perfeito. Nós rimos muito, conversamos muito e comemos muito. Noite perfeita. E além disso, eu vou ganhar mais um sobrinho!

Cumprimentei todo mundo no caminho até minha sala e quando passei pela mesa da Jane, abri um sorrisão para ela, que obviamente percebeu que hoje é um dia feliz. Estou tão inspirado e motivado para trabalhar hoje que fiquei até mais tranquilo ao lembrar que teria que ligar para os pais de Sam. A primeira parte da surpresa seria concluída!

Peguei o telefone fixo do meu escritório e disquei o número dos pais de Samantha que Kath tinha me passado no dia anterior. Demorou um pouco, mas logo uma mulher com uma voz doce atendeu, falando um "alô" bem gentil.

-Olá -respondi, tentando ser simpático também- é da casa da Srta. Watson?
-Sou eu. Quem fala?
-Aqui é o Louis Tomlinson. Eu sou o amigo da sua filha, Srta. Watson, não sei se ela comentou sobre mim com a senhora...
-Ah, sim, claro que comentou! Mas vocês ainda são amigos? -não pude evitar uma risada.
-Pois é! Ela não quer apressar as coisas.
-Ah, então tudo bem, né -comentou, rindo- Em que posso ajudar?
-Então... No dia em que seu esposo ligou para Sam para dar os parabéns pelo estágio, eu estava junto e vi que ela chorou. Ela sente muita saudade e sempre que comenta comigo sobre vocês, diz que a distância é uma coisa chata... E como eu gosto muito dela, quis ajudar. Pensei em você e o Sr. Watson vierem aqui para visitar ela e Becky. O que acha? Eu posso comprar as passagens, isso não será problema...
-Que linda, atitude, meu filho! Nós também sentimos muita saudade de nossas meninas, mas infelizmente não podemos voltar para o Estados Unidos agora, nem mesmo para visitar. Meu marido está quase se aposentando, então não pode muito faltar o trabalho. Ele conseguiu uma folga de duas semanas no trabalho, mas é para o casamento da Becky, no meio do ano que vem, entende?
-Sim, entendo -murmurei, me sentindo um pouco chateado por não dar certo, mas aí eu lembrei que a senhorita Watson não trabalhava e...- E a senhora estaria disponível?
-Infelizmente não. Na semana passada comecei a trabalhar em uma creche aqui perto de casa e não poderei ser liberada até ter concluído pelo menos um ano de trabalho. Eles estão assinando minha carteira, você deve saber como funcionada...
-É, é isso mesmo -suspirei, vendo que realmente não tinha jeito.
-Mas obrigada, querido, por tentar ajudar. Fico muito feliz que minha filha esteja se relacionando com um garoto bom como você -abri um sorriso. Conquistei a sogra... a futura sogra, quer dizer.
-Obrigada, Srta. Watson. E desculpe se eu tomei seu tempo, mas é que eu realmente achei que daria certo.
-Eu vou continuar tentando, mas não posso prometer que vai dar certo.
-Tudo bem. Muito obrigado.
-Até mais, querido.  

Você disse TPM?

Link permanente da imagem incorporada

-Scooby! Droga, sai da minha frente! -S/n gritou depois de quase tropeçar por causa de seu cachorro, que não parava de segui-la.
-Hey, não grita com ele! -Lou veio defender seu mascote, fazendo sua mulher ficar com ainda mais raiva. 

Ele mesmo havia dado o cachorro à S/n quando ainda eram namorados, e ela simplesmente amou. Ama demais o bichinho, adora fazer carinho e brincar com ele, só que hoje ela não estava muito bem. Períodos femininos, você sabe como funciona...


-Talvez eu parasse, se ele não ficasse me seguindo para todo o canto. Ele está com fome e você não é capaz de levantar essa sua bunda do sofá e colocar ração para ele.

-Desculpa, meu amor, eu ainda não sei como ler mentes de humanos, quem dirá de cachorros -Louis respondeu, bem-humorado.
-Nossa, muito engraçadinho você -Ela rebateu, debochadamente.
-Amor, o que está acontecendo?
-O que está acontecendo? -ela riu, incrédula- além da casa estar uma bagunça, você passar 50 horas assistindo futebol, Scooby estar morrendo de fome e eu não ter conseguido dormir direito por conta das cólicas? Bom, Louis, eu acho que está tudo ótimo apesar dessas coisas...

Ele já entendeu tudo. Sua noiva estava naqueles dias. Aqueles malditos sete dias em que ele fica louco por causa dela. Mas como Louis cresceu em uma casa cheia de mulheres, sabia lidar com a situação muito bem. Quer dizer... mais o menos "bem" porque não tem como curar o estresse, a sensibilidade e as emoções de S/n durante essa semana.


-Amor, a casa está arrumada. A Lisie veio arrumar ontem -ele tentou argumentar, e acrescentou- Eu posso parar de assistir o futebol para ficar deitadinho com você até a cólica passar... 

-Agora você vem oferecer ajuda?
-Eu não sabia que você estava com dor.
-Porque você nunca percebe droga nenhuma, mas ok, Louis. Você pode continuar assistindo seus jogos idiotas -ela revirou os olhos e caminhou até o espaço de Scooby, colocando comida para ele. Depois, foi pro quarto e eu ouvi o som do chuveiro ligar.

Louis riu pensando em como ele e os outros homens são guerreiros por aguentar suas mulheres nesses dias.
Ele levantou do sofá, colocou uma roupa melhorzinha e saiu de casa. Foi até a padaria mais próxima e comprou uma barra de chocolate, a favorita de S/n.
Quando voltou para casa, sua mulher estava sentada no sofá com o Scooby no colo. O cachorro estava quase dormindo com o carinho que ela fazia nele.

-Fizeram as pazes? -brinquei, só para estressa-la um pouquinho. É engraçado, vai...
-Não enche, Lou -ela respondeu- E vai arrumar a bagunça que você deixou lá no banheiro.

Obedecendo a mulher, -ele não é doido de fazer o contrário- Louis foi até a suíte deles e arrumou a bagunça. Depois voltou pra sala e sentou-se ao lado dela.

-Você vai parar de me dar fora agora? Eu limpei o banheiro e ainda fui na rua comprar chocolate pra você. 
-Comprou chocolate?
-Comprei, pois sou um ótimo noivo.
-Quer comprar minha simpatia com chocolate, Louis Tomlinson? -ela murmurou, meio que sorrindo.
-Ah, qual é, o Scooby não fez nada e ta recebendo carinhos -Lou apontou para o cachorro- Eu quem deveria estar sendo mimado!
-Eu quem deveria estar sendo mimada! -ela repetiu a frase, inconformada- Quem está sentindo cólica e dor de cabeça? Eu! E ainda parece que cada um dos meus seios pesam 50 kg.
-Tudo bem, eu vou te dar carinho.
-Não. Não quero. Você me estressou muito hoje -ela respondeu. Por mais que fosse estressante, Louis achava super engraçado.
-Eu vou ter que implorar pra te dar carinho? -ele deu um beijo demorado na bochecha da noiva. Scooby até pulou do colo dela.
-Nunca vi ninguém implorar para dar carinho... -S/n comentou.
-Pois é! Pra você ver o quanto eu te amo -Depositou mais alguns beijinhos em seu rosto, até roubar um selinho- Vem, vamos deitar. 
-Você é muito espertinho, Louis Tomlinson...
-Obrigado, linda. Agora, vem.
-Tudo bem, você venceu -ela se rendeu.
-Podemos assistir os episódios novos daquela série, o que acha? -perguntou Lou, enquanto caminhavam até o quarto.
-Acho ótimo, desde que você me dê a minha barra de chocolate e não fique achando que pode me dar beijos -Louis gargalhou.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Me X Soccer

Link permanente da imagem incorporada
essa foto sim pq eu to apaixonada, bjs hahaha


Se passaram 10 minutos e eu continuei esperando, devidamente sentada e paciente. O relógio marcava 18:10, o céu estava começando a escurecer e as pessoas saíam e entravam da Bake-a-boo, uma lojinha de cupcakes extremamente fofa com doces e sobremesas saborosas.
Suspirei, olhando a rua através da janela de vidro, esperando que Niall estivesse virando a esquina. Mas ele não estava... Bom, ele deve estar se arrumando, certo? Ele sempre demorou alguns minutos a mais que eu porque nunca consegue decidir como o cabelo realmente fica bom. Ou ele pode estar a caminho e o trânsito está grande. Ou ele pode, sei lá... Estar saindo de casa agora mesmo porque teve uma visita indesejada e inesperada.

Eu sustentei essas ideias até onde eu pude, até atingir o limite da minha paciência. O relógio marcava 19:00 quando eu levantei da cadeira, peguei minha bolsa, e saí irritada da lojinha fofinha.
Quem o Niall pensa que eu sou? As antigas peguetes dele que aceitavam qualquer merda que ele fazia? Foi para aguentar esse tipo de coisas que nós começamos a namorar? Ah, não. Não mesmo. Vamos consertar isso agora mesmo. Ele vai ter que me ouvir muito.

Bati na porta da casa dele com uma certa raiva, e me arrependi logo em seguida. Quem me atendeu foi a Maura, com um sorriso super dócil e receptivo. Às vezes eu esqueço que meu namorado não mora sozinho, e isso pode até ser bom para ele porque se a Maura não estivesse ali, eu bateria muito nele. Brincadeira, gente, eu só daria uns tapinhas mesmo, nada demais.

-Olá, querida, como está? -ela perguntou, enquanto me abraçava carinhosamente.
-Estou bem, dona Maura -omiti a verdade, dando um sorriso- e a senhora?
-Estou indo, minha filha... Graças a Deus está tudo bem -ela riu- Aceita um café?
-Não, obrigada. Na verdade, eu nem vou demorar muito, só quero falar com o Niall. Ele está?
-Não, ele saiu mais cedo, quase uma hora atrás -esse viado tá me traindo, é isso mesmo?- Ele não atende o telefone? -minha sogra perguntou, inocentemente.
-Não, não... É que eu tenho que me encontrar com ele e... Hm, eu... -cocei a cabeça, não sabendo o que falar.
-Ah, querida, eu tenho o endereço de onde ele está -ela se apressou em me entregar um papelzinho pequeno com o endereço escrito em caneta preta- Chegou uns amigos dele aí e saíram todos juntos. Acho que foram jogar futebol, não sei... 
-Ah, sim -assenti, sentindo-me um pouco mais aliviada. Foram amigos homens, ele não está me traindo- Poxa, dona Maura, muito obrigada, viu? -sorri.
-Que nada, querida! -ela abanou a mão no ar, e depois eu abracei-a.
-Tenha um bom dia.
-Você também.

Quando cheguei na rua que o endereço instruía, percebi que na esquina havia um estádio de futebol. Acho que já entendi a história toda. Niall marcou com o dono do estádio um dia para ele usar o espaço com os amigos. No dia em que íamos nos encontrar. Nossa, que ótimo.
Com passos fortes, caminhei até o final da esquina, e quando cheguei na porta do estádio enorme, tinha uns caras conversando.

-A senhorita deseja...? -um deles perguntou.
-Ahn, meu namorado está jogando aí dentro. Vim encontrá-lo.
-Tudo bem -respondeu, pegando uma prancheta- Pode me falar o nome dele, por favor?

Ergui uma sobrancelha, e ele percebeu que eu achava isso uma coisa estúpida. Eles acham que estou mentindo? Por que eu iria querer entrar em um campo de futebol em outra situação? Virou festa para ter que dar nomes? Palhaçada...

-Ordens da casa -ele deu de ombros.
-O nome dele é Niall -informei, sem vontade- Niall Horan.
-Ah, tudo bem. Pode entrar -ele autorizou minha passagem e eu agradeci.

De longe, tudo o que eu consegui ver foram alguns caras jogando bola. Todos estavam de chuteiras, short e colete para identificar quem era do time de quem.
Quando vi Niall jogando despreocupado, todo sorridente e suado, respirei incontáveis vezes para manter a calma.
Fui para a arquibancada e me sentei pacientemente no banco. Já que esse jogo é tão importante ao ponto dele esquecer nosso encontro, vamos esperar ele ser concluído, não é?

Após vinte minutos de bola rolando e garotos suados correndo para lá e para cá, eles pararam de jogar. Meu namorado e seus amigos se sentaram no gramado e ficaram bebendo água e rindo por cinco minutos. Eu já estava cansada de esperar aquilo terminar, então fui descendo as escadas até o campo.
Niall me viu e veio até mim com um sorriso no rosto e com uma expressão de dúvida.

-Amor? O que faz aqui? -me deu um rápido selinho.
-Puxa, pelo menos você lembra quem eu sou! -falei, debochadamente. Ni cerrou os olhos, super confuso.
-Como assim, S/n?
-Você não lembra que íamos sair hoje? Eu fiquei esperando você na loja por uma hora, Niall, UMA HORA!
-A gente ia s... -ele parou de falar subitamente quando lembrou do encontro- Ai, droga! Droga, droga...
-Obrigada pela consideração, viu? Estou muito feliz com o seu vacilo. 
-Poxa, meu amor, me desculpa, de verdade. Eu esqueci totalmente. Eu marquei com os caras para jogar e nem percebi que nosso encontro era no mesmo dia...
-Isso só prova que o futebol é mais importante que eu, né. 
-Não, S/n! Eu tinha marcado o futebol antes e não percebi que era no mesmo dia... Me desculpa, amor -ele roubou-me um selinho- o que posso fazer para compensar, hein?
-Compensar os 60 minutos que eu fiquei te esperando naquela loja? Nada. Sinto muito. Agora você já pode voltar a jogar o seu tão amado futebol, Niall -disse e me virei, caminhando para a saída. 
-S/n, volta aqui! -ele pediu, mas eu nem sequer olhei para trás.

Dois dias depois...

Ele não me ligou, não mandou mensagem e não veio na minha casa. Talvez ele queira acabar com o namoro, e quer saber? OK! Se ele está pouco se lixando que não estamos nos falando, não posso fazer nada. Essa atitude só me mostrou que ele não liga muito para o nosso relacionamento e nem para os meus sentimentos.

Desci as escadas do meu apartamento correndo, já estava um pouco atrasada pra faculdade e ainda teria que esperar um táxi pois minha irmã está usando meu carro. Ótimo, além da vida sentimental ferrada, ainda tenho que aturar meu próprio atraso. Valeu, vida!

Eu estava andando apressadamente até o ponto de táxi quando senti que um carro preto estava me seguindo. Seu eu começava a andar um pouquinho mais rápido, ele andava também. Pronto, pra completar a bosta toda, serei sequestrada, pensei. Até que o vidro do tal carro foi abaixando aos poucos e quando eu olhei para o lado (para memorizar a cara do sequestrador) era o Niall. O alívio foi grande, mas a raiva também.

-Você tá maluco, Niall? -perguntei, inconformada.
-O que foi? -ele riu, achando engraçado o meu quase ataque cardíaco.
-Quase que eu desmaio de susto aqui, achando que era um sequestrador, um bandido, ou coisa parecida! -ele gargalhou.
-Até que para um sequestrador, eu tô bem bonitinho, né? -fez graça. Rolei os olhos e continuei a caminhar- Oh, espera! Não quer uma carona?
-Não, obrigada -respondi, sem parar de andar.
-S/n, vamos lá, eu sei que você está atrasada!
-É, eu estou mesmo, mas eu posso chegar no segundo tempo de aula. Melhor que ir com você porque... vai que você esquece o caminho da minha faculdade e me atrasa mais ainda?
-Ah, S/n, para com isso, vai... -ele murmurou, com uma carinha fofa- Eu já pedi desculpas mil vezes, estou super arrependido. Vou prestar mais atenção da próxima vez. Prometo.

Não respondi nada, pois não queria ceder assim tão fácil.

-Amor, entra no carro.
-Não, Niall.
-Eu te deixo lá em 10 minutos -insistiu, tentando manter a velocidade do carro a mesma que a minha.
-Prefiro pegar um táxi.
-S/n, para com isso...

Não respondi mais nada porque ainda tinha esperanças de que ele percebesse que eu realmente não queria papo, mas pelo contrário, passaram-se alguns poucos minutos e ele freou o carro, saiu do mesmo e ficou de frente para mim, impedindo-me de continuar a andar.

-Você calça 37, tem pavor de rato, sua fruta favorita é abacaxi, não gosta muito de receber elogios, prefere praia do que piscina e acha ridículo quando eu mastigo chiclete fazendo barulho -ele sorriu de leve e eu não pude evitar de fazer o mesmo- Além disso, você queria muito conhecer a África e tem vontade de aprender a surfar... Detesta chá e prefere Batman do que Homem-Aranha.
-Niall, o que você est...
-Você ama crianças e idosos, odeia matemática, é apaixonada por livros e sua série favorita é The Walking Dead -ele deu de ombros e, mais uma vez, sorriu encantadoramente- Só tô falando isso porque eu te amo tanto que aprendi várias coisas sobre você, e não posso deixar que você fique chateada comigo por minha culpa. Eu sei, fui um idiota, admito isso e tomo toda a culpa para mim, mas você precisa me perdoar.
-Preciso?
-Sim, precisa. Se não eu serei obrigado a encher seu celular de mensagens e ligações, e sua casa de flores, chocolates, ursinhos de pelúcia e todas essas coisas melosas que as mulheres amam.
-Isso não seria tão ruim assim... -murmurei, sorrindo.
-Nem brinca com isso, S/n! -ele rolou os olhos e num movimento rápido me puxou pela cintura- Eu te amo, sua boba. Nunca te deixaria esperando por mim de propósito.
-Tudo bem, Niall Horan... Vou deixar você me levar para a aula só para te dar uma moral -ele riu e me deu vários beijos.  

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Across My Heart Cap. 22

Link permanente da imagem incorporada

Samantha Watson P.O.V

Eu ainda estava esperando o Louis chegar, quando Becky entrou no meu quarto. Ela havia trocado a roupa, e eu entendi o porquê no momento seguinte:

-Chaz me ligou e nos convidou para jantar. Vamos?
-O Lou está vindo aqui -respondi.
-Ele pode vir conosco.
-Não acho que seja uma boa ideia.
-Por que, oras?
-Você quer passar o resto da sua noite ouvindo seu noivo interrogar o Louis? -perguntei, e ela sorriu, mostrando que tinha entendido.
-É, definitivamente eu não quero.
-Pois é, nem eu.
-Então, tudo bem... Eu vou esperar por ele lá embaixo. Se o Louis estiver lá, vou pedir para ele subir.
-Ok -me levantei, saindo do quarto junto com ela- Bom jantar para vocês dois.
-E boa noite para você e Lou -ela me mandou uma olhada significativa antes de bater a porta. 

Eu revirei os olhos e caí em cima do sofá, e quando vi meu corpo, percebi que ainda estava de pijama. Corri de volta para o quarto para colocar uma roupa decente, e quando eu estava vestindo o primeiro short jeans que encontrei no armário, a campanhia tocou.
Voltei correndo para a sala e parei em frente a porta, porém, antes de abrir a mesma, eu dei uma rápida ajeitadinha no meu cabelo. Finalmente, abri a porta e sorri, vendo Lou diante de mim.
Ele me deu um selinho devagar e molhado, e logo em seguida adentrou ao apartamento.

-E, então, moça, vai me contar o motivo do dia de hoje ter sido especial? -ele segurou uma de minhas mãos e deu um sorriso de lado.
-Você está muito curioso, rapaz... -brinquei, devolvendo o sorriso e puxando-o para se sentar no sofá.
-É, eu estou sim, desde o momento em que você disse que tem homem envolvido no meio.
-Ah, com isso você não precisa se preocupar -Ri e lhe dei mais um selinho.
-Hm, não sei... -ele cerrou os olhos e puxou minha cabeça em direção a sua, dando-me mais um beijo- Tem certeza?
-Absoluta -garanti.
-Tudo bem, então. Pode me contar.

Louis ficou sabendo da história toda. Ele ficou feliz por saber que eu tinha conseguido um estágio sem ao menos procurar um, e me deixou ainda mais empolgada com a ideia de trabalhar. Disse que eu sou uma garota irritantemente inteligente e capaz de conquistar muito mais coisa. Ainda afirmou que eu tenho um mundo para conquistar. Confesso, eu quase chorei, não é todo dia que eu recebo esse apoio emocional, e vindo dele, é algo ainda mais importante.
No meio da nossa conversa, o telefone da casa tocou e quando eu atendi, escutei a voz do meu pai. Sorri, imediatamente. Antes de continuar a conversa, avisei a Lou que iria para perto da janela, e que ele poderia ficar a vontade.

-Minha menina, estou tão feliz por você! Mais uma vez, a senhorita me deixou muito orgulhoso -afirmou, e eu abri um sorrisão.
-Que isso, pai... Eu devo tudo ao senhor -respondi, toda sentimental- Quero te agradecer por todo o apoio que o senhor me deu durante todos esses anos, inclusive quando esteve longe. Eu, sinceramente, não tenho palavras para dizer o quanto eu sou grata e o quanto eu te amo...
-Oh, minha menina... Você é uma jóia preciosa e talentosa que Deus me deu. Sei que ainda vai me dar muito orgulho.

Louis Tomlinson P.O.V

Fiquei sem saída quando escutei o soluço baixo da Sam. Eu não sabia o que fazer. Não sabia se devia ir até ela para lhe dar um abraço, ou se deveria continuar sentado. O pior é que ouvir o som dela chorando fez meu coração quebrar e, por isso, eu quase levantei por puro impulso. Depois eu me recompus e comecei a queimar meus neurônios, tentando encontrar a melhor atitude a ser feita.
Eu mal podia compreendê-la porque sempre morei perto dos meus pais. Mal posso imaginar a saudade que ela deve sentir toda vez que ouve a voz do pai e da mãe do outro lado da linha.
Após poucos minutos, observei-a desligar o telefone. Sam continuou perto da janela. Respirou fundo, limpou os olhos, deu alguns suspiros e em seguida foi até a cozinha tomar um copo de água.
Mexi nos cabelos, fiquei inquieto no sofá e, por fim, resolvi ir até ela, que ainda estava na cozinha, em pé, ao lado da bancada.

-Não fica assim, meu amor -afaguei seus cabelos, trazendo sua cabeça até meu peito numa forma de abraço- deve ser uma droga, eu sei -ela soltou uma risadinha baixa e envolveu os braços na minha cintura.
-É realmente uma droga a distância. Mas você está aqui para me ajudar a esquecê-la -sorri, ficando bem feliz ao saber que ela me considera uma solução para esquecer das coisas que a magoam. Um escape, quem sabe? Não importa. Eu adorei do mesmo jeito.

[...]

No dia seguinte, eu cheguei no trabalho muito pensativo. A noite de ontem me deixou intrigado por conta do choro de Sam, e eu não conseguia parar de pensar num jeito de ajudá-la nesse sentido. Eu pensei em comprar passagens para o Canadá, assim ela poderia visitar os pais, só que Sam ainda não está de férias da faculdade, e eu ainda teria que resolver com a irmã dela as coisas da documentação e do visto. Enfim, não daria.
Mas aí eu pensei que não seria uma má ideia eu falar com os pais dela para virem aqui, não é? Eu poderia ver com eles qual era a melhor data, e tudo mais...

Eu estava pensando mais detalhadamente no assunto quando Jane adentrou a minha sala e informou que eu tinha que dar uma olhada em alguns designs no segundo andar. Assenti com um aceno de cabeça e, suspirando, levantei da minha cadeira.
Ajeitei minha gravata levemente e peguei o elevador. Comecei a pensar em como eu conseguiria o número dos pais de Sam sem pedi-la. Também não queria que Becky soubesse, seria uma boa surpresa se fosse para as duas, então ela está fora de cogitação. Kath, talvez? Será que ela sabe? Bom, eu descobriria mais tarde.

Após avaliar os designes, voltei para o andar onde meu escritório ficava e pedi à Jane para ligar para a casa de Katherine e depois passar a ligação para a minha linha. Ela assentiu e eu voltei outra vez para minha sala.
Entrei em sites de viagens para conferir preço e data de passagens. Claro que eu ainda não ia fechar nada, era só para pesquisar mesmo. O telefone tocou e eu atendi logo:

-Oi, Kath.
-Opa, quem fala aqui não é a Kath, é a sua irmãzinha mais linda.
-A mais linda porque é a única que eu tenho -brinquei, rindo.
-Louis! -ela me repreendeu- credo, que horror.
-Eu tô só brincando, maninha. Tá tudo bem por aí?
-Tá, sim, eu só liguei porque preciso que você venha aqui em casa hoje a noite, depois do seu trabalho, sei lá, só preciso que venha.
-Ih, o que aconteceu, hein? -perguntei, desconfiado.
-Nada de ruim, muito pelo contrário.
-E você não pode me contar agora?
-Não, Lou, tem que ser pessoalmente.
-Meu Deus, Julie, você adora complicar as coisas.
-Não é complicar, garoto! É que é algo muito importante para falar por telefone.
-Você vai se mudar para outro país porque o Bob foi transferido ou algo assim?
-Não, Louis, para de tentar adivinhar, você não vai conseguir. Agora eu vou te deixar trabalho, beijos e até mais.
-Julie... -chamei, mas ela já havia desligado.

Alguns longos minutos depois, Katherine me ligou. Eu expliquei tudo o que estava planejando para ela, que adorou e deu o maior apoio. E o principal: tinha o número da casa dos pais da Sam. Ela me passou, eu anotei, e decidi que iria ligar no dia seguinte. Kath se despediu falando que se eu precisasse de qualquer coisa, poderia contar com ela.

Não tinha mais nada para fazer no trabalho, então eu meti o pé duas horas antes. Às vezes eu adoro o fato de eu ser o dono da empresa, porque se eu fosse um funcionário qualquer, não aguentaria ficar preso nas horas de trabalho. Não mesmo. Thank God!

Com a curiosidade me consumindo por dentro, dirigi correndo até a casa de minha irmã.
___________________________

N/a: Eu sei que estou sumidona, mas eu estava estudando para as provas finais. JÁ ESTOU DE FÉRIASSSSS, ENTÃO VOU POSTAR SEMPRE. Repararam nos imagines e preferences novos? Então... hahaa Grande beijo.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

"Are you two dating"?

LINDOOOOOOOOOOOOOOOO
Obs.: Esse imagine foi baseado na entrevista da Camilla Cabello e do Shawn Mendes para o Late Late Interview.
*Eu inventei o nome do programa de TV no imagine, assim como também inventei o nome da apresentadora.
*Também saiu da minha cabeça o nome da banda dela (já que ela faz parte de uma girlband), e o nome da música que ela e o Liam cantam juntos e o nome do apresentador James Starrew.


-Bem-vindos de volta ao TV show celebrity -a apresentadora Lily Fox falou, com um sorriso estampado no rosto- Hoje, quem está aqui comigo é a linda cantora S/n s/s, integrante da girlband "West Girls" e Liam Payne, integrante da boyband One Direction! 

A platéia aplaudiu e gritou, e os dois jovens sorriram, retribuindo o carinho.

-Bom, vocês estão aqui para divulgar uma música que gravaram juntos, a "where is love?", porém, como eu sou uma apresentadora muito curiosa, preciso perguntar coisas a mais.
-Nós já esperávamos por isso -Liam brincou, fazendo a platéia rir.
-Eu vi a apresentação de vocês no AMA, ontem a noite e, uau! Simplesmente arrasaram!
-Muito obrigada, fico feliz que gostou -S/n sorriu.
-Eu não gostei, eu amei! Além de vocês cantarem muito, possuem muita química, se é que me entendem... -ela fez uma expressão maliciosa e o estúdio de gravação se encheu de risadas.
-Na verdade, nós não entendemos muito bem, mas vamos fingir que sim -Liam brincou mais uma vez. Todos riram.
-Ah, vamos lá, vocês sabem muito bem o que eu quero dizer, mas já que insistem, serei mais direta: Vocês estão namorando? -Liam e S/n se entreolharam e sorriram.
-Não, nós não estamos namorando -ela respondeu.
-Desculpe, mas não acredito em vocês -a apresentadora disse, e a platéia riu.
-Nós realmente não estamos -S/n voltou a afirmar, sorrindo.
-Vocês nunca nem saíram, trocaram uns beijinhos?
-Nós saímos? -Liam perguntou à S/n, zoando.
-Não, Liam, nós nunca saímos -ela respondeu.
-É, na verdade, eu tento chegar nela, mas só recebo fora -ele afirmou.
-Liam! -S/n o repreendeu, fazendo todos rirem.
-Quer dizer que você tenta, Liam? -Lily Fox insitiu, sorrindo maliciosa- Certo, vamos chegar ao fundo da questão.
-Ah, não não -Payne negou com a cabeça, sorrindo.
-Vocês estão muito defensivos -Lily disse.
-É porque, no fim das contas, nós não estamos namorando.
-Mas, Liam, você disse que quando chega nela, é rejeitado...
-Sim, totalmente -Ele respondeu.
-Liam, pare já com isso -S/n disse, fazendo todos rirem.
-Bom, para mim, parece que vocês dois se amam, só não sabem como fazer o relacionamento dar certo. Gente, não tem como vocês não terem ficado!
-Tem, sim, porque nós não ficamos.
-Bom, eu não acredito.
-Que pena, você está se iludindo -Liam respondeu, e todos deram risada, até mesmo a apresentadora.
-O mais engraçado do que ver vocês dois mentindo para mim, é ver a equipe publicitária de vocês ali atrás surtando com as perguntas e respostas -apontou para a equipe, que estava atrás das câmeras de gravação.

[...]

-Ela é insistente, né? -S/n disse, se referindo à Lily Fox. Os dois já estavam dentro da van, voltando para o hotel.
-Muito -ele concordou, rindo- Mas eu disse a verdade.
-É, eu percebi -ela mandou um olhar de repreensão para o garoto.
-Ah, o mundo todo já sabe que eu gosto de você. É só começar a me seguir no Instagram para ver que eu só tenho fotos contigo.
-Isso não significa nada, seu bobo, no meu snapchat aparece mais você do que eu mesma.
-Isso é ótimo, demonstra que você também está gostando de mim.
-Ou pode só significar que estamos passando tempo demais juntos por causa das viagens para gravar entrevistas e fazer shows.
-Obrigada por acabar com quase todas as minhas esperanças -ele disse, virando a cara. S/n suspirou e virou o corpo no banco da van para ficar totalmente de frente para ele.
-Liam, olha para mim -ele não olhou- Liam! Olha para mim.
-S/n, você já deixou bem claro seus sentimentos, está tudo bem, eu tenho que entender -ele respondeu, olhando-a brevemente para depois desviar outra vez.
-Isso é uma droga, sabia?
-O que exatamente é uma droga, S/n?
-Você ficar chateado comigo só pelo fato de eu não corresponder seus sentimentos. Está acabando com todo nosso companheirismo de antes -ela virou para frente novamente, dessa vez emburrada.
-Não está acabando com nosso companheirismo, não fala besteira.
-Ah, não está? É só tocar nesse assunto de sentimentos que a gente acaba brigando. Isso está ficando desgastante. 
-Se eu pudesse escolher não gostar de você, eu escolheria, mas infelizmente não dá, então não fique irritada por eu não ficar feliz com seus foras, ok?

A van parou na hora, e S/n não esperou nem mais um segundo para levantar e sair de perto de seu companheiro de trabalho. Ambos ficavam irritados quando tratavam sobre esse assunto, e como S/n é mais esquentada que Liam, prefere sair de perto para não falar ou fazer nada que venha se arrepender depois.

-S/n, não se esquece da entrevista amanhã cedo! -a assessora disse, indo atrás dela com papéis na mão enquanto a cantora dava passos rápidos e fortes- Logo depois tem a apresentação ao vivo. Passo no seu quarto às 9:30.
-Não, Beth -parou rapidamente e virou-se para ela- Eu te encontro no saguão principal às 9:30.
-Tudo bem -ela respondeu. S/n acenou com a cabeça numa forma de agradecimento e depois pegou o elevador.

[...]

S/n P.O.V

Quando acordei, o relógio marcava 9:00. Dei um pulo da cama tão exagerado, que quase caí no chão quando fiquei de pé. Minha visão foi escurecendo, minha cabeça começou a latejar e eu percebi que levantei da cama muito rápido. 
Quando tudo voltou ao normal, eu corri para o banheiro. Tomei uma ducha rápida já que não poderia vacilar com a hora, e depois vesti o look separado para o programa de TV de hoje. Ajustei os últimos detalhes e, antes de sair do quarto, peguei meu óculos escuro e o celular.
Coloquei o óculos dentro do elevador porque vi que o sol estava muito forte, e quando cheguei no saguão, todos estavam esperando por mim. Já eram 9:35.

-Podemos ir, pessoal. Desculpem o atraso.
-Tudo bem. Vamos logo que a produção do programa está nos esperando.

Na van, não sentei perto do Liam porque claramente não estamos nos aturando. Ele estava de cara feia e quase não direcionava o olhar para mim. Eu entendi o recado implícito para não me aproximar. 
Fiquei do lado de Beth e revisei todos os compromissos para o dia de hoje e me toquei que seria um saco dar entrevistas ao lado de Liam sem falar com ele. Mas tudo bem, daríamos um jeito.

Ao chegar no estúdio do programa, vimos a quantidade de fãs que estavam ali, esperando por nós. Quando eles avistaram nossa van preta, gritaram tanto que eu pensei que fossem ferir suas cordas vocais. Sorri com o carinho. Era sempre assim.

-Posso falar com eles depois? -perguntei à Beth, que mexia em algo no seu iPad.
-Acho que não, nosso dia está corrido hoje, cheio de compromissos. 
-Nem por 20 minutinhos? -ela sorriu.
-Ai, S/n, tudo bem, eu arranjo um espacinho na agenda. Mas você não vai poder demorar.
-Tudo bem! -bati palminhas alegres e ela riu.

Em seguida, foi a mesma rotina de sempre: fui levada para o camarim, me maquiaram, ajeitaram meu cabelo, e depois Liam e eu ficamos esperando o apresentador nos chamar. Nenhuma palavra foi pronunciada, mas eu fiquei com muita vontade de dizer o quanto ele estava cheiroso.

[...]

A entrevista seguiu normal. Nós quase não nos referíamos um ao outro, apenas respondemos as perguntas do apresentador e ouvimos os gritos da platéia. Mas agora é a melhor hora: receber o carinho dos meus fãs.
Saí do estúdio correndo até eles e, conforme eu me aproximava, mais meu ouvido doía por causa dos gritos, e eu comecei a rir por isso.
Comecei a dar autógrafos, tirar milhares de fotos, gravar vídeos para as amigas das que estavam ali, ouvir vários "eu te amo"... Essa é a melhor parte de todo o meu trabalho.
Até perguntaram sobre o Liam e eu respondi com um simples "eu não sei, acho que ele ainda está dentro do estúdio.". Também quiseram saber por que nós não estávamos namorando. Eu ria e dizia "somos só bons amigos."
Eu atendi quem pude, pois só consegui vinte minutos, e depois voltei para dentro do estúdio. Liam estava tirando foto com duas crianças da platéia com blusas do One Direction quando minha assessora veio até mim perguntar se eu estava pronta para o próximo compromisso do dia.

[...]

O restante do dia foi abarrotado de entrevistas, como o esperado, e eu e Liam não nos falamos o dia inteiro. Claro que nossa equipe de publicitários percebeu que alguma coisa havia rolado entre nós, e acabamos recebendo uma bronca. "Eu sei que rolou algo entre os dois, mas o público, os fãs, e todas as revistas no mundo não precisam saber disso, então coloquem um sorriso no rosto e finjam que tudo está em perfeito estado.", disse Jeff, nosso profissional de relações públicas.
Bom, nós tivemos que obedecer e tentamos fingir no restante das entrevista que tudo estava bem entre nós. Eu me sentia ridícula por isso, e tenho certeza que o Liam também.
Quando a última entrevista acabou, eu me senti completamente cansada e com fome. Atendendo meu pedido, a equipe aceitou passar no drive-thru do McDonald's. Fizemos nossos pedidos, pegamos nossos lanches, voltamos para o hotel.
No meu quarto, eu tomei um banho, coloquei meu pijama mais quentinho e confortável, e comi o hambúrguer maravilhoso do meu fast food favorito.
Estava deitada na cama, rolando a timeline do twitter e quase dormindo, quando bateram na porta. Obviamente eu estranhei, mas mesmo assim fui até lá. A droga da porta não possuía olho mágico, então não tinha como eu saber quem era. Será que é um criminoso que descobriu que eu estou aqui? Ou um fã bem maluquinho? COMO VOU SABER?
Resolvi colocar meu cérebro para pensar por alguns segundos e cheguei a conclusão de que a melhor forma de descobrir era perguntando, afinal, eu não tinha coragem de sair abrindo a porta do quarto assim, para qualquer um, com o relógio marcando uma hora da manhã.

-Quem é?
-S/n, sou eu -Era a voz do Liam. Baixa e calma.
-O que você está fazendo aqui? -perguntei, ainda sem abrir a porta.
-Dá pra você abrir logo essa porta, por favor? -pediu, e pude notar que estava perdendo a paciência. Eu que deveria perder, já que ele bate na porta do meu quarto de madrugada. E se eu estivesse dormindo?

Bufei, mas abri a porta, e encontrei-o com um braço debruçado na lateral da porta e o outro dentro do bolso da calça de moletom. Aliás, era só isso que ele estava usando.

-O que houve, Liam? Você veio aqui para brigar de novo?
-Você fala como se fosse sempre eu que começo as discussões.
-Eu não disse isso, mas não estaria mentindo se dissesse -cruzei os braços. Eu ainda estava chateada com ele. Liam olhou fundo nos meus olhos e suspirou.
-S/n, eu não quero brigar, ok? Vim aqui para tentar consertar as coisas. Eu odeio ficar sem falar com você, ainda mais por uma coisa idiota.
-Então acho que deveria repensar suas atitudes.
-Para de agir como se a culpa de tudo fosse só minha. Você vive me enchendo de fora e quer que eu fique feliz com isso, não dá para entender.
-Eu não vivo te enchendo de fora, que saco, Liam! -bati o pé. Ele desencostou a mão da parede e colocou-a no outro bolso da calça, ficando com as duas mãos dentro do bolso.
-Posso entrar? Precisamos conversar -disse, olhando diretamente em meus olhos. Quem ensinou esse garoto a persistir no contato visual? Céus!
-Tudo bem -concordei e saí de perto da porta, dando-o espaço para entrar.
-Eu... Eu odeio quando temos que fingir que está tudo bem entre nós para a mídia quando, na verdade, não está. Sei que você também detesta isso, então nada melhor do que resolvermos nosso problema e seguir trabalhando normalmente.
-Ok, concordo com você. Como vamos resolver isso?
-Pedindo desculpas, quem sabe? -arqueou a sobrancelha.
-Eu peço desculpas pelo quê exatamente?
-Ah, S/n, por favor -ele rolou os olhos- Você quer que eu comece? Tudo bem, eu começo. Me desculpa por ficar insistindo em um relacionamento que, no final das contas, nunca vai dar certo. Minha intenção nunca foi te deixar chateada comigo por causa das minhas atitudes, muito pelo contrário, mas meu sentimento cresceu e eu fiquei agindo como se algo fosse mudar por isso... Bom, nada nunca vai mudar, então, me desculpe por achar que iria. Qualquer dia desses eu me desapego de você. -ele engoliu em seco e não tirou os olhos de mim. Me senti péssima- Bom, é a sua vez.
-Desculpe por brincar com seus sentimentos, mesmo não sabendo que eu fazia isso. Você é uma pessoa muito especial e eu nunca planejei te deixar chateado também. Sei que as vezes posso parecer uma garota ridícula e insensível, mas eu só não sei lidar muito bem com essas coisas como você sabe. Então, desculpa... -mordi os lábios e abaixei a cabeça, um pouco envergonhada, confesso. Depois de alguns segundos, senti os braços de Liam me envolverem em um abraço. Quase que eu chorei, pois é tão difícil ficar sem falar com uma pessoa como ele, mas eu me segurei. Seria micão.
-Melhor assim, não? -ele murmurou contra meus cabelos e eu sorri.
-É, bem melhor -apertei-o mais contra mim e depois o encarei- Desculpa, de verdade, Liam, fui idiota e imatura e...
-Shiu... -ele colocou seu indicador sobre meus lábios- nós dois fomos idiotas, não se torture por isso.

E naquele momento eu pude ver o quanto Liam é um cara incrivelmente doce e romântico. Talvez ele seja o homem mais maneiro que eu já conheci em toda a minha vida, depois do meu pai.
Os olhos dele estavam naquele tom de mel claro e eu não conseguia parar de encará-los. Analisei cada traço de seu rosto e fui abrindo um sorriso aos poucos, não me pergunte por quê. 
Parecia que Liam não conseguia piscar e, diferente de mim, seu semblante estava sério. Não triste, mas sério. Como se estivesse vendo algo digno de total atenção e admiração. Fiquei um pouco envergonhada porque, no caso, esse "algo" sou eu! 
Daí eu pensei "por que eu não peguei esse homem para mim ainda? olha esse corpo, olha esses olhos, olha essa boca, olha essa cara, olha esse corpo, olha essa temperatura quente que ele emana, olha o quão lindo ele é."
Bom, com essas perguntas girando na minha cabeça, eu me senti uma idiota. Liam me dava a maior bola e eu, como sou TROUXA, nem ligava para isso, porque eu nem percebia o tipo de homem que eu tinha como amigo e companheiro de trabalho.
Para amenizar os adjetivos horrorosos que eu estava atribuindo para mim mesma, e para dar uma chance ao amor e ao meu coração, eu beijei Liam.
Sim, beijei-o com toda vontade do mundo, com toda a alegria e felicidade que estava se formando dentro do meu coração.

Dois meses depois...

-E agora, o momento tão esperado para os jovens de todo o mundo: com vocês, S/n s/s e Liam Payne! -fomos recebidos com gritos e aplausos, como sempre. Nos acomodamos no sofá vermelho acolchoado e logo James Starrew estava nos cumprimentando.
-S/n, você está linda como sempre -ele elogiou.
-Muito obrigada, James.
-Você também está bem bonitinho, Liam, mas eu não costumo ficar elogiando homens -todos riram- Bom, vamos falar do novo single de vocês! É ótimo, estou viciado.
-Uau, que bom! -Liam afirmou, sorrindo- Fico feliz que tenha gostado, trabalhamos duro nele.
-É, verdade -concordei.
-Não fui só eu que gostei, pelo visto, né? Afinal, a música de vocês ficou durante três semanas no topo do iTunes, isso é demais!
-Simmm! Totalmente demais -concordei, sorrindo de orelha a orelha.
-A S/n ficou chorando de alegria quando soube -Liam zoou e todos riram.
-É mentira, gente, eu não fiz isso.
-Mas quando tocou nas rádios você surtou.
-Liam, não é legal você ficar explanando as pessoas assim, sabia? -disse e todos riram, inclusive James.
-Bom, Liam, a S/n pode até ter chorado, mas você dançou, não é? Nós vimos o vídeo -James disse.
-Ela me obrigou -Liam apontou para mim, que rapidamente neguei com a cabeça, fazendo a platéia rir.
-Não foi bem assim -me ,

-Me contem como esse vídeo aconteceu, então... Quem teve a ideia de gravá-lo? -James perguntou.
-Eu vou contar a história toda porque gosto dos detalhes -eu disse, fazendo a platéia gargalhar- Isso aconteceu antes da fase de divulgação, então quando eu ouvi a música no rádio pela primeira vez, estava dirigindo para o chá de bebê de uma amiga. Eu fiquei muito feliz, claro, e aí eu fui ligar para o Liam, mas quando fui procurar o celular, não achava de jeito nenhum. Daí eu tive que mudar o caminho e ir até a casa dele, porque eu tinha que contá-lo. Cheguei lá que nem uma doida, bati na porta dele centenas de vezes e quando ele finalmente veio me atender, estava com uma cara de sono terrível.
-Eu tinha acabado de acordar -Liam levantou as mãos em rendição.
-Só que eu nem liguei para isso na hora, né. Eu gritei "LIAM, NOSSA MÚSICA TÁ TOCANDO NO RÁDIO"! E adivinhem o que ele respondeu?
-O que ele respondeu, S/n?
-Bom, Liam me puxou para dentro da casa dele e disse "fale baixo, você vai acordar a vizinhança" -todo mundo ficou gargalhando por pelo menos um minuto.

O apresentador James nos fez contar várias histórias e, no final de tudo, fez aquele pergunta básica que todos os apresentadores têm de fazer para satisfazer o público adolescente:

-Como está o coração de vocês.
-O meu tá batendo. O seu tá, Liam? -brinquei e James e a platéia riram de novo.
-Tá, S/n.
-Ótimo. Estamos bem, James. Nada de ataques cardíacos por aqui.
-Que bom, então -James disse, se recompondo do riso- Vocês estão namorando ou não, droga, falem para nós! Todos querem saber.
-Todos quem?
-Todo mundo.
-Minha avó não parece muito interessada em saber se estou namorando.
-Pois é, Liam, nem a minha -brincamos.
-Ok, mas os fãs, os jornais, as TVs, o público, as pessoas querem saber.
-Poxa, James, você não quer saber? -me fingi de triste.
-Eu quero.
-Então por que não se incluiu?
-Vocês não vão conseguir me enrolar, eu não vou deixar -ele garantiu, rindo.
-Nós podemos cantar?
-Pode, sim, daqui a pouco.
-Não, tem que ser agora.
-O que vocês acham? -James olhou para a platéia- deixo eles cantarem?
-SIMMMMMMMMM.

Nossa banda já estava posicionada, então nós nos posicionamos atrás dos microfones, e quando a batida da nossa música começou, começamos a cantar:


Quando finalizamos, nos abraçamos e... nos beijamos. Durante o ato, ouvimos um coral de "ohhhhh" e eu fiquei com muita vontade de rir. Imagine como estaria a cara das fãs, dos shippers e de todos os jornalistas que estavam esperando uma confirmação como essa aparecer.
Bom, nós queríamos um jeito inovador de assumir o relacionamento, e essa ideia foi de Liam. Eu amei e nós acabamos fazendo, para a surpresa de todos.

-Acho que minha pressão abaixou -James disse, sendo dramático- Isso é uma confirmação?
-Bom, o que você acha?
-Eu acho que amanhã, vocês dois saírão nas capas dos jornais, sites, revistas e tudo quando é rede social.
-Eu também acho, mas não estou ligando muito para isso -Liam comentou, sorrindo e passando um de seus braços por volta do meu pescoço. A platéia fez um "awnnn".
-Bom, gente, o programa vai ficando por aqui... Espero que vocês consigam dormir direitinho depois dessa bomba porque eu acho que não vou conseguir -todos riram.
-Um grande beijo, gente. Obrigada por tudo -me despedi.
-Até mais, galera! -Liam emendou.